Veja como o Microsoft Windows evoluiu em 32 anos

Não importa para onde você olhe, existirá um dispositivo rodando Windows lá. Servidores, áreas de trabalho, notebooks, netbooks, telefones, aparelhos de GPS, dispositivos vestíveis, enfim, o Windows é praticamente onipresente quando se trata de sistema operacional. Mas você sabia que o nome que Bill Gates escolheu para o sistema foi “Interface Manager”? Rowland Hanson, que era chefe de marketing da Microsoft na época, convenceu o magnata dos programas a alterar o nome para uma coisa mais digerível e sugeriu “Windows”, que foi aceito por indicar a natureza do sistema, trabalhar com janelas.

O que diferencia o Windows dos outros sistemas operacionais da Microsoft é a existência de uma interface gráfica, ou como os especialistas preferem chamar, interface gráfica do usuário ou GUI. Na verdade o Windows não é era um sistema operacional até o Windows 95. Antes ele era simplesmente um programa que rodava em cima do MS-DOS.

Versões do Windows

O Windows 1.0 foi lançado em 1985, um ano após o primeiro computador com interface gráfica de sucesso ser anunciado pela Apple. Depois vieram as versões 2.x, 3.x, 95, 98, ME, XP, Vista, 7, 8, 8.1 e 10. Eu não sei você, mas eu contei 12. Isso sem levar em considerar as versões para dispositivos embarcados.

Windows 1.0

O principal produto da Microsoft em meados da década de 1980 era o MS-DOS, um sistema operacional de disco que rodava em computadores da IBM. Entretanto, a companhia de Gates também desenvolvia softwares, como processadores de texto e planilhas eletrônicas, para outras empresas e a Apple Computer era uma de suas maiores parceiras. Foi então que durante o desenvolvimento do Lisa e do Macintosh, Bill Gates teve contato com a interface gráfica e decidiu transportar aquilo para o seu sistema operacional.

Foi então que em 1985, Bill Gates lançou o Windows 1.0, um software que trazia uma interface bidimensional ao MS-DOS. Para rodar o Windows 1.0 era necessário possuir a versão 2.0 ou superior do então sistema operacional da Microsoft, 256 KB de RAM e um disco rígido.

Microsoft Windows 1.0

O verdadeiro Windows

Windows 2.x

A segunda versão do Windows, lançada em 1987, tinha exatamente a mesma interface do Windows 1.0. A única diferença estava na inclusão de novas ferramentas e o suporte a VGA. Ele rodava principalmente em scanners da HP.

Windows 3.x

A primeira versão do Windows amplamente utilizada foi a 3.0. Nesse ponto a Microsoft já competia diretamente com a Apple e com a Commodore Business Machines. A Commodore possuía um computador com interface gráfica, o Amiga.

Windows 3.0 Desktop

A terceira versão do sistema da Microsoft já tinha o Notepad, Paint e paciência

Windows 95

O Win95 foi lançado em 24 de agosto de 1995 e era distribuído junto com o MS-DOS. As versões anteriores eram instaladas separadamente, por isso a necessidade de um disco rígido. Ele trazia visíveis mudanças na interface gráfica e foi quem introduziu o nosso querido botão iniciar, a barra de tarefas e o visual em cascata e suporte ao plug-and-play.

Area de trabalho Windows 95

Win95 e alguns programas de escritório

Windows 98

Três anos após o lançamento do Windows 95, a Microsoft anuncia o Win98. Para a companhia, o Win98 era uma reforma da versão anterior do sistema e eles queriam demonstrar como tudo funcionava de forma estável. Foi então que o Bill Gates foi em pessoa ao Comdex, uma feira de tecnologia, demonstrar como o suporte ao plug-and-play estava amadurecido. Ele queria que as pessoas vissem como se conecta um scanner em um computador LIGADO rodando o quase finalizado Windows 98. Quando o cara conectou o cabo, todos viram a famosa tela azul da morte.

O pobre apresentador olha incrédulo para a tela enquanto Bill Gates o fita com aquele olhar de revanchista. Ele deve ter pensando: tô no olho da rua.

Windows 98

Win98 e Internet Explorer 5

Windows ME

O Windows ME foi lançado na virada do milênio e foi a última versão do Windows 9x. Foi nele que o saudoso Windows Movie Maker foi apresentado. Foi a versão com o menor tempo de vida entre os sistemas operacionais da Microsoft, tendo sido substituído pelo Windows XP um ano depois. A crítica especializada não gostou do produto e um artigo PC World rotulou o Windows ME de “Mistake Edition” (em tradução livre, Edição Errada), e o colocou em quarto lugar como o “Pior dos Produtos Técnicos de todos os Tempos.

Windows ME

Tela inicial da versão ME do sistema de Gates

Windows XP

Lançado em 2001, o Windows XP foi um dos maiores sucessos da Microsoft. Em dezembro 2006 ele detinha o título de sistema operacional mais utilizado do mundo, com uma fatia de 85% do mercado. A aceitação do sistema era tão grande que a Microsoft só viria lançar um sucessor cinco anos depois.

Áudio reproduzido durante a inicialização do Windows XP

Foi no Windows XP que o papel de parece mais famoso do mundo se estabeleceu e tinha uma linda interface gráfica chamada de Luna.

O Windows XP pairou por muito tempo como o sistema operacional mais utilizado do mundo. Nem o seu sucessor foi capaz de tirá-lo do posto. Foi só com o lançamento do Windows 7 que a história começou a mudar e lentamente o uso do XP foi decaindo.

Tela inicial do Windows XP

Interface Luna

Vista

O Windows Vista foi um dos grandes fracassos da Microsoft. Depois do sucesso aclamado que foi Windows XP, a Microsoft decidiu dar um passo maior do que as pernas e lançou um sistema operacional que consumia mais recursos do que o mercado de hardware da época era capaz de atender. O Windows Vista em si era uma verdadeira revolução no quesito interface. Ele bebeu da fonte de umas das mais inovadoras interfaces gráficas para o Linux, a KDE.

Foi no Windows Vista que a Microsoft apresentou a interface Aero, que tornava tudo bonitinho aos olhos do usuário e que seria reutilizada pelo Windows 7. O grande problema estava na alta necessidade de RAM que o sistema requeria para funcionar corretamente. Era preciso 2GB para que tudo fosse fluído. Isso em 2007.

Foi no Vista também que a Microsoft incluiu um programa de proteção contra vírus nativo, o Windows Defender, depois da aquisição da empresa de segurança GIANT.

Em 2014, Steve Ballmer, antigo CEO da Companhia, afirmou que o Windows Vista é o seu “maior arrependimento”.

Área de trabalho com Windows Vista

O Aero do Vista era bem lindão

Windows 7

Em 22 de julho de 2009, a Microsoft anuncia o Windows 7. Não se tratava de uma revolução como foi o Vista, mas de uma melhoria no que tange a utilização de recursos da máquina e segurança. A sétima versão do sistema manteve a interface Aero, mas ela recebeu uma série de melhorias. O menu iniciar foi reformulado e veio junto com o Windows Media Player 12, Internet Explorer 8 e uma nova versão do Windows Media Center. O sucesso do Windows 7 foi tão grande que reacendeu a velha teoria de que a Microsoft alterna entre um sistema operacional bom e um sistema operacional ruim a cada lançamento. O Windows 8 viria reafirmar essa teoria três anos depois.

Windows 7

Interface Aero do Windows 7

Windows 8

Foi no Windows 8 que a Microsoft convergiu todos os tipos de tela para um único sistema operacional. Lançada em 2012, a nova versão do Windows equiparia tantos tablet quanto área de trabalho. Dispositivos sensíveis ao toque ou não teriam o mesmo sistema operacional. A Microsoft lançou uma nova interface gráfica com a intenção de ser universal, que apelidou de Metro. A nova interface do Windows 8 utilizava caixa dinâmicas para representar os programas, exibindo informações úteis e atualizações.

Os usuários não receberam bem a nova interface, que teve o icônico botão iniciar removido e foi substituído por uma barra lateral parecida com a utilizada pelo Unity do Ubuntu, chamada de Charm Bar. A barra, que ficava invisível no modo desktop, só aparecia quando alguém arrastava o mouse na diagonal e respondia a mesma ação feita com o dedo em dispositivos sensíveis ao toque.

Interface do Windows 8

Interface metro com os blocos dinânimos

Problemas da nova interface do Windows 8

Essa nova interface era um verdadeiro Frankenstein das interfaces gráficas. Um problema frequente era a utilização o Skype, que nativamente se comportava como um programa Metro e ocupava a tela inteira. Para você poder conciliá-lo com outros programas tinha que instalar a versão desktop do Skype. Eram dois programas diferentes com a mesma finalidade.

Loja de aplicativos

Foi no Windows 8 que a Microsoft integrou ao sistema uma loja de aplicativos. Antes, os usuários precisavam baixar os programas diretamente do site dos desenvolvedores ou naqueles velhos sites de download, como Baixaki e o Superdownloads. A inclusão da loja integrada ao sistema permitiu que ao Windows tivesse uma distribuição de programas e aplicativos mais segura e ainda seria uma fonte de renda extra para a Microsoft.

Windows Store

Loja de aplicativos da companhia

Windows 8.1

Um ano depois veio uma atualização para o Windows 8. O Windows 8.1, como ficou conhecido o update, trouxe de volta o velho botão iniciar e permitia que o usuário, em vez de iniciar o sistema na nova interface do Windows 8, ligasse o computador direto no modo desktop. Apesar do retorno do botão iniciar, ele estava completamente irreconhecível e trazia somente algumas funções básicas.

Windows 10

O Windows 10 é a versão mais atual do sistema operacional da Microsoft. Ele foi lançado em julho de 2015 e chegou com toneladas de novidades em relação às versões anteriores. Entre os destaques podemos citar a assiste pessoal Cortana, que responde a perguntas e comandos de voz, pesquisa integrada ao Bing e foi reintroduzido no sistema o saudoso botão iniciar como nós o conhecíamos, mas com algumas mudanças.

Tela inicial do Windows 10

Computador rodando a versão mais recente do sistema da Microsoft

KDE Plasma

A Microsoft bebeu na fonte do Linux mais uma vez e criou um ambiente parecido com o que foi desenvolvido na versão mais recente do KDE, o Plasma. Além de trazer recursos que já eram bem conhecidos dos usuários do pinguim como múltiplas áreas de trabalho; pesquisa na web; janelas sem borda e o Task View, que já rodava na interface Unity do Ubuntu.

Privacidade

Foi na versão 10 que a Microsoft se envolveu em uma grande polêmica envolvendo a privacidade dos usuários. Os dados coletados em milhões de computadores são enviados à Companhia e seus parceiros, e só Deus sabe o que eles fazem com isso essas informações.

Mercado de servidores

Enquanto a Microsoft enfrenta mano a mano a Apple no quesito áreas de trabalho, a empresa fundada por Bill Gates apanha de lavada quando o assunto é servidor e o Linux é o seu arquirrival. Por que isso acontece? É simples de responder essa pergunta. O Linux é superior ao Windows em todos os aspectos no que tange organização, atualização, modularidade, flexibilidade, segurança e preço.

Primeiro que existe uma comunidade gigantesca de colaboradores que ajudam no projeto pelo simples amor que têm ao Linux. Atualizações de segurança emergenciais são lançadas tão rápido que nem dá tempo de se serem exploradas amplamente. Depois, as atualizações não são aquela coisa traumática do Windows.

Linux no Microsoft Azure

A popularidade do Linux é tão grande que a Microsoft colocou a rivalidade de lado e adicionou opções de utilização do sistema do pinguim nos seus serviços de abstração de infraestrutura na nuvem, o Azure.

Ainda assim, o Windows Server é utilizado em pequenas empresas ao redor do mundo pela simplicidade e familiaridade que os administradores sistema têm na hora de trabalhar em um sistema da família Windows.

Windows Phone

Diferente do que acontece com o mercado de desktops, a Microsoft não é protagonista no de dispositivos móveis. Ela chegou relativamente atrasada na corrida dos smartphones iniciada por Steve Jobs em 2007. É verdade que Windows Mobile já existia nessa época, mas o foco era o mercado corporativo, semelhante à BlackBerry. E sabemos qual é a situação financeira da BlackBerry nos dias atuais.

Nokia Lumia

O Windows Phone foi anunciado oficialmente em 15 de fevereiro de 2010, três anos depois do lançamento do primeiro iPhone. O nome de batismo era Windows Phone 7 Series. Lembra o nome utilizado naqueles aparelhos da Nokia, né?. Felizmente ele foi rebatizado para Windows Phone. Bem mais simples.