Leia antes de comprar um iPhone 6

Depois de Apple anunciar o preço de pré-venda do seu mais novo lançamento, o iPhone 6, muita gente fez piadinha com relação ao valor sugerido e adotados pela companhia de Steve Jobs. O anúncio chegou três dias depois de os brasileiros elegerem a Apple como a marca preferida quando o assunto é smartphone, será mesmo? Dependendo da versão que você escolher, o último aparelho com o logo da maçã pode custar até $R 4.400. Eu sei que muita gente vai xingar, fazer piadinha sem graça, mas no final das contas, vai parcelar tudo em 10x sem juros.

O preço do iPhone 6 é justo?

Não estou aqui levando em consideração o fato de que o iPhone 6 teve alguns leves problemas no projeto. Aparelho que entorna, não ter um hardware tão potente (isso nem deve ser levado em conta). A Apple não liga muito pra o que roda sob o capô do lindo iPhone 6. Aquela velha história do “Por fora bela viola, por dentro… você já sabe”. Mas pense um pouco, o que o iPhone 6 traz de novo em relação ao seu antecessor? Será que esses quase 2000 reais de diferença valerão a pena quanto ao retorno que você terá no uso do novo gadget? Esse pode ser um discurso de um ecologista ou pirangueiro, mas no fundo, faz um pouco de sentido.

Pule, pelo menos uma geração!

Na minha opinião, os aparelhos não apresentam mudanças significativas em ralação a geração anterior que justifiquem a compra. Seria legal se as pessoas pulassem, pelo menos uma geração. A mesma ideia ainda é válida para a Apple que  atualiza seus aparelhos a conta gotas, seguindo a mesma fórmula que o mago Steve Jobs desenvolveu. Entretanto, essa fórmula criada por Jobs, que funciona muito bem até hoje, não visa, no final das contas, a nossa felicidade, mas sim, os lucros dos acionistas.