Interfaces de computadores fictícios criados em Hollywood

Quando assistimos um filme que envolve tecnologia, principalmente um filme de ficção científica, nos deparamos com interfaces computacionais um pouco estranhas e ficamos na dúvida se aquilo realmente existe. Embora alguns apresentem uma relação com a realidade, como no caso do filme Matrix, calma, não estou falando de todo o filme, mas da parte em que Trinity invade a Matrix usando um programa de computador, um pouco antigo, mas bem conhecido nos círculos Nerd, o Nmap, usando teclado e monitor, claro; a maior parte dessas interfaces fictícias são criadas em estúdios, por empresas que prestam serviços à Hollywood.

Interfaces Hollywoodianas

Homem de ferro, O Exterminador do Futuro, Star Trek, MIB e tantos outros títulos de filmes de Hollywood têm isso em comum, o fato de usarem uma interface fictícia quase alienígena em seus filmes. Fato é que, apesar de ninguém saber o que toda aquela parafernália faz, grande parte do desenvolvimento tecnológico foi baseada nessas interfaces fictícias. A série original de Star Trek, por exemplo, é um ótimo exemplo desse potencial de desenvolvimento tecnológico baseado em interfaces fictícias. Aquelas máquinas piscando e de uso complicado na série original, hoje se transformaram em computadores, e os comunicadores exóticos, hoje são o que chamamos de celulares.

Interfaces de computadores fictícias

Embora boa parte dessas interfaces terem sido criadas para evitar ações judiciais por parte das criadoras das convencionais interfaces computacionais da época, os filmes de ficção precisam dessas interfaces fictícias para ter novas abordagens e dar vida às suas criações. Criamos então uma pequena galeria que mostra as mais curiosas, estranhas e conhecidas interfaces do cinema.