Desmaterialização da moeda, do escambo ao bitcoin

Antes do surgimento da moeda e no inícios das primeiras civilizações, o escambo era o meio utilizado para trocar um bem ou serviço por outro. Esse era um processo demasiadamente lento, e nem sempre eficiente. Se um produtor de leite, por exemplo, quisesse consumir arroz, ele deveria encontrar um produtor de arroz e trocar o excedente de sua produção de leite pelo arroz. O principal problema do escambo, além da lentidão, estava no fato de não poder fracionar a troca. Se ao invés de leite, o produtor quisesse trocar a vaca, ele teria um certo problema com a quantidade de arroz que receberia, já que não seria possível trocar meia vaca. Mas caso trocasse a vaca inteira, teria uma quantidade excedente de arroz, que poderia ser trocado por milho, por exemplo. É nesse ponto em que surge a necessidade de criar formas mais eficientes de efetuar a troca de bens e serviços. É aí que a moeda começa, gradativamente, a perder o seu valor uso e começa a ter valor de troca.

escambo

Moeda bem de uso

Peixes, camelos, sal. Todos esses bens já foram utilizados um dia como um meio comum de troca. Mas mesmo assim ainda carregavam traços muito fortes do escambo. É quando surge o metal como dinheiro. O metal é um bem durável e fácil de transportar. O ouro, o mais nobre de todos os metais, será o grande agente por trás da economia durante os próximos séculos, até o surgimento do dinheiro de papel.

Papel-moeda

A moeda-papel começou quando as pessoas depositavam o seu ouro em casas de custódia, o primórdio dos bancos, e recebiam um certificado de depósito. Esse certificado, garantia que aquele pedaço de papel valia uma quantidade de ouro depositado num banco. A moeda-papel abriu caminho para o papel-moeda. Nesse período, a moeda já não estava associada a uma quantidade de ouro no banco. Os governantes perceberam que a maioria das pessoas não iam no banco buscar o seu ouro, mas sim emitir mais moedas.

Dinheiro virtual

Com o desenvolvimento da computação e da Internet, a moeda vem perdendo a sua forma física. As pessoas passaram a realizar pagamento através do Internet Banking e compras em lojas virtuais. Mas ainda assim ela está intimamente ligada a moeda física que conhecemos. Mas não por muito tempo.

Bitcoin

O Bitcoin é uma moeda virtual criada para servir como um meio de troca em operações feitas na Internet. Não tem qualquer relação com a moeda física como o Real ou o Dólar. Ela é criada por um processo chamado de mineração, uma simulação da escassez ou uma escassez artificial. Assim como acontece com o ouro, um dia o bitcoin vai acabar. Quando o último bloco for minado, o número total de bitcoins em circulação não excederá 21 milhões.

moeda-bitcoin

Desconfio do bitcoin

Talvez alguém ache estranho a troca do dinheiro tangível, esse que podemos sacar e sentir na nossa mão, pelo dinheiro virtual, que nada mais é do que números na tela de um computador. Mas assim como nas várias etapas do processo de evolução da moeda, alguém deve ter sentido a mesma insegurança que sentimos hoje. O produtor de leite, ao usar o dinheiro de metal, ficaria apreensivo se aquilo realmente seria aceito, já que ninguém come metal. Ou mesmo na transição do moeda-papel para o papel-moeda, alguém deve ter desconfiado do governo ao emitir moeda que não pode ser recuperada em ouro. Hoje vivemos  na época de desconfiar do bitcoin, mas saiba que ele é o dinheiro do futuro.

No futuro não muito distante, todas as operações financeiras poderão ser feitas usando a Internet. Neste dia não precisaremos mais de moeda física. Será nesse mesmo dia em que a moeda será completamente desmaterializada? O que você acha?

Tags