Smart TV

Bye-bye Blu-Ray

blu-ray disc

Estamos presenciando a morte do Blu-Ray Disc. Falamos há algum tempo sobre o futuro das telas em alta definição, as chamadas TVs Ultra HD, aquelas que podem exibir imagens até 16 vezes mais nítidas que a Full HD. Enquanto que a tecnologia 8k está longe de se tornar uma realidade, vemos que a 4k já está começando se tornar popular, e a LG inclusive vendeu cerca de 300 TVs Ultra HD 4k na Coreia do Sul, mesmo sem conteúdo disponível nessa resolução. No artigo sobre o futuro das TVs Ultra HD, fiz um pequeno cálculo no final do artigo sobre o tamanho de um filme em Ultra HD. Claro que o cálculo é bem simples e pode ser que não seja tão preciso, mas fato é que uma mídia de Blu-Ray não tem espaço suficiente para comportar um filme em Ultra HD. Por esse motivo especialistas estão estudando um substituto para o laser azul. A tecnologia avança tão rapidamente que vemos a morte tão prematura de mais uma tecnologias. O uso do Blu-Ray Disc ainda nem se tornou popular e já está ultrapassado devido suas limitações de armazenamento e de leitura. Veremos ao longo desse artigo além de uma pequena linha do tempo de evolução até o Blu-Ray, quais as tecnologias que podem sucedê-lo ou acabar de vez com ele.

BluRay

VHS

Videocassete é o nome de uma tecnologia que surgiu no início dos anos 80, (muita gente que está lendo esse artigo nem era nascido, incluindo eu mesmo) que nada mais era do que um equipamento eletrônico que possibilitava gravar e reproduzir vídeos em fitas magnéticas. O VHS foi o sucessor do videoteipe, equipamento ainda mais antigo que teve sua primeira versão comercial lançada em 1954, exibia imagens a partir de uma fita magnética assim como o VHS, e não uma película, usada em cinema. Entretanto o videocassete era na verdade uma gama de equipamentos que dependendo do formato da caixa que contem a fita magnética e das especificações técnicas, recebia um nome. O VHS é o mais popular de todos, aquele modelo que tinha dimensões de 18,7 cm.X10 cm.X2,5 cm. Ele possibilitava uma resolução de 320×240 e poderia gravar até seis horas de vídeo em seu formato estendido, que eu adorava porque deixava gravando os desenhos animados de manhã e ia para a escola, quando chegava em casa tinha seis horas de conteúdo, uma forma eficientíssima de conseguir informação numa época antes da Internet. A Distribution Video Audio, grande empresa do ramo, deixou de fabricar as fitas VHS em 2008.

VHS Kassette 01 KMJ

DVD Disc

DVD Disc (abreviatura de Digital Versatile Disc) é uma tecnologia de exibição de vídeo que substituiu o VHS. Lembro quando assistia os filmes em videocassete e passava as propagandas do DVD prometendo uma imagem mais nítida e uma qualidade de som superior. Sua produção começa em 1995 e sua grande revolução está no fato de usar informações digitais de vídeo, diferente do VHS, onde os dados eram gravados de forma analógica. O DVD possibilitava o acesso quase instantâneo ao momento desejado do filme e não precisava rebobinar a fita, coisa que eu considerava um ritual no VHS. Outra inovação do DVD, devido as informações serem digitais, foi a o uso da compactação de dados em MPEG-2, o que possibilitava que ele exibisse uma resolução de 720×480 e frame rate de 30/s. Entretanto aquelas TVs de tubo suportavam uma resolução máxima de 640×480 e cadência em torno dos 23 frames. Uma mídia de DVD tinha um espaço de 4,7 GB (camada comum), 8.5GB (camada dupla), 9.4GB (dois lados, uma camada). Até hoje ele é utilizado.

Blu-Ray Disc

Já Blu-Ray Disc ou DB tem seu nome derivado da frase, Laser Azul, a tecnologia usada na sua gravação. Usa um disco de 12 cm de diâmetro, igual ao DVD e tem uma resolução Full HD, que possibilita armazenar quatro horas de filme em resolução Full HD, 1920x1080p. Em que “p” significa progressivo diferente do “i” intercalado. Essas palavras apesar de se popularizarem com o surgimento da alta definição, já existia. Acontece que como a maioria das pessoas utilizavam uma cabo RCA; aquele cabe verde, azul e vermelho que as pessoas usavam para ligar o DVD ao aparelho de televisão; poucos ligavam para isso, mas era possível ver imagens em até 480p usando um cabo de vídeo componente, um cabo mais caro que usava três cabos para a transferência do vídeo e dois para o áudio, é claro que a TV teria que ser compatível com tal resolução. A mídia Blu-Ray possibilita gravar 25 GB (camada simples) e 50GB (camada dupla) atualmente.Comparação da resolução de um filme em DVD e outro em Full HD 1080p.

DVD

Substitutos para o Blu-Ray Disc

Devido ao crescimento tecnológico acelerado, um novo padrão de exibição de vídeo, o chamado Ultra HD tem emergido e promete ser até dezesseis vezes mais nítido que o atual. Ele tem resolução duas à oito vezes maior que uma imagem em Full HD 1080p e realismo surpreendente. Devido ao tamanho necessário para armazenar esse novo padrão e a tecnologia necessária para exibi-la de forma adequada, é praticamente impossível usar uma mídia Blu-Ray para comportar um filme em ultra HD, a não que seja um vídeo muito curto e que o espectador não queira experimentar em sua totalidade a qualidade nas imagens que essa tecnologia oferece. Por esse motivo especialistas estudam tecnologias para substituir o Blu-Ray Disc. Confira as tecnologias e tendências que podem ser usadas para aposentar essa criança.

Vídeo on Demand

O Streaming ou fluxo de mídia é uma forma de transferência de arquivo de vídeo onde existe o uso de pacotes de dados. O Streaming é usado na internet e para a transferência e exibição de um vídeo. Não apresenta nenhuma tecnologia revolucionária, entretanto vem se massificando com o uso de serviços com o YouTube e o Netflix. De acordo com relatório da Sandvine, a Netflix é responsável por 29,7% do tráfego da Internet, isso pelos idos de 2010, hoje deve ser ainda maior e crescendo. Com a adoção novo padrão de vídeo, em breve será muito difícil conseguir uma conexão descente (no Brasil) para assistir conteúdo em Ultra HD 4k, mas quem sabe… milagres acontecem.As vantagens de usar um serviço de Streaming ao invés de uma mídia física é que, além de ser mais barato, não precisa sair de casa para comprar Blu-Ray ou DVD e você pode assistir no seu smartfone, smart TV ou no computador.

Netflix ultra hd

Blu-Ray substituído pelo próprio Blu-Ray

A Sony em parceria com pesquisadores japoneses da Universidade de Tohoku, desenvolvem uma nova geração de mídias que possibilitaria gravar cerca de 500 GB (camada única) e 1TB (camada dupla). Essa tecnologia de gravação usaria um laser violeta com cerca de 405 nanômetros e chegaria a oscilar em três picossegundos(um trilionésimo de segundo). O que daria origem ao Blu-Ray Disc 2.0. Entretanto isso me lembra muito a guerra entre o HD DVD e Blu-Ray, nesse caso quem luta para sobreviver é o Blu-Ray.

Mídia Holográfica

Desenvolvida pela General Electric, a mídia holográfica permitiria armazenar até 500 GB de dados. Entretanto levaria um dia inteiro para gravar uma mídia dessa usando a tecnologia de gravação atual. Seus desenvolvedores afirmam que esse não será o substituto do Blu-Ray, mas que pode ser muito bem empregado em sistemas de backup, já que permite manter os dados íntegros durante 100 anos. Mas quem sabe, vai que… neh?

disco holografico

HDs e SSDs

A vantagem de utilizar esse tipo de serviço que você teria controle total do seus dados. Enquanto uma mídia, seja ela Blu-Ray ou DVD apresentam arranhões e falhas com o tempo, usando um HD ou SSD, solucionaria o problema. Além de poder fazer download de Filmes e poder armazená-los no seu disco para quando quiser assistir.

iomega external ssd flash drive

Essas foram algumas tecnologias que podem acabar com o Blu-Ray Disc, se é que ele realmente vai acabar. Pode ser que ele sofra apenas algumas atualizações, mas… nunca se sabe. Talvez um simples Pen Drive de 1 TB seja suficiente para aposentar de vez esse tipo de mídia e cá pra nós, eu confio muito mais num Pen Drive do que em alguma coisa em formato de CD. E você o que acha?

  • Cleber Carvalho da Rocha

    acho o pen drive caro demais para substituir as mídias atuais, teria que baixar o preço, afinal uma tecnologia só se consolida de vez se oferece acessibilidade no preço e na capacidade tecnica