Análise do Novo Moto G, o mesmo Moto G só que maior

Ano passado, nós escrevemos uma breve análise sobre a primeira versão do Moto G. Tava na cara que o celular seria um sucesso de vendas e não demorou muito para que a onda dos novos aparelhos da Motorola inundasse até os mais longínquos recantos dessa terra de meu Deus. Nessa época, a Motorola estava sob o domínio do Google e o Moto G foi o segundo aparelho lançando enquanto a Motorola era uma Google Company. Um ano após o lançamento do Moto G, mas agora na era Lenovo, a Motorola decide lançar a segunda versão do seu aparelho intermediário.

É a mesma configuração que encantou o público brasileiro, mas com algumas “melhorias”. Eu coloquei melhorias entre aspas porque algumas dessas atualizações, particularmente, não me agradaram muito. Calma, essas mudanças foram elogiadas por outros usuários. A minha opinião é diferente da de uma grande parcela dos usuários de smartphones que vêm com bons olhos gadgets com TV Digital e entrada para cartão microSD. Mas eu abriria mão dessas duas coisas para ter um aparelho LTE 4G e com conexão NFC.

Leia também: O que não gostamos no Moto G 2014

Sob o capô no Novo Moto G podemos ver basicamente o mesmo motor. É um aparelho com um processador Snapdragon 400 de 1,2 GHz quad-core e 1 GB de RAM. Existe uma versão Dual, com apenas 8 GB de armazenamento; e uma DTV Colors, com 16 GB de armazenamento. Ambas as versões possuem entrada para cartão microSD de até 32 GB.

Tela de 5 polegadas HD

A tela do Moto G 2 cresceu em tamanho em relação ao da primeira versão. Mas continua com a mesma resolução de 1280 × 720. Com 5 polegadas de tamanho em comparação com as 4,5 polegadas da geração anterior. Se colocadas lado a lado temos a impressão de que as imagens estão menos nítidas. Isso acontece porque ouve uma diminuição na densidade, já que a tela foi aumentada, mas a quantidade de pixels continua exatamente a mesma. A diferença pode ser facilmente percebida por quem tem um olho mais clínico e de cara já estranha e cria uma espécie de barreira se essa pessoa estiver pensando em trocar o seu antigo Moto G por um novo.

comparacao moto g 2014 vs moto g 2013

Câmera muito melhor que a do primeiro Moto G

Depois da tela, a maior diferença entre o Novo Moto G e o seu ancestral está na câmera. Todo mundo sabe que a Motorola não é uma das melhores fabricantes de câmera do mercado, mas merece reconhecimento depois do que fez com a câmera do Moto G. Ela deu um grande salto na qualidade das imagens que ficaram muito mais nítidas e vivas. O Novo Moto G possui uma câmera traseira de 8 megapixels e uma frontal de 2 megapixels, além de ter deixado a captura mais rápida e a possibilidade de filmar em câmera lenta e Full HD.

camera novo moto g

Som estéreo

O alto-falante simples que ficava na parte de trás do Moto G também foi modificado. Na segunda geração ele foi movido para a parte frontal do aparelho com duas saídas estéreis. Sabe quando a pessoa quer assistir um vídeo num lugar barulhento e com uma péssima acústica? Pois é… Antes você tinha que decidir se iria assistir ao vídeo ou ouvir o som, agora você consegue fazer as duas coisas e com uma qualidade ainda melhor.

som estereo novo moto g

Conectividade e LTE 4G

Se você esperava que a Motorola adicionasse conexão à rede LTE 4G, pode tirando o seu cavalinho da chuva. É estranho quando as empresas insistem em lançar sucessores de seus aparelhos com pouquíssimas novidades. Vimos isso quando a Sony lançou o Xperia Z3 e todos ficaram impressionados com a semelhança entre ele o seu antecessor. Os dois são basicamente o mesmo aparelho, mas com uma carcaça levemente diferente. Se a nova geração do Moto G possuísse, pelo menos conexão à rede 4G, desbancaria concorrentes com o Zenfone 5 e não teria Sabrina Sato certa. No mais, o Novo Moto G possui as conexões obrigatórias de hoje em dia como Bluetooth 4.0; Wi-Fi 802.11 b/g/n; 3G e micro-USB 2.0.

A mesma Bateria

A bateria tem a mesma capacidade, cerca de 2070 mAh, mesmo tendo crescido de tamanho em relação ao seu predecessor. Isso pode resultar numa vida útil menor, já que uma tela maior requer mais energia para se manter acesa. Testes de bateria feitos pelo GSM Arena comparou alguns aparelhos, entre eles estão a primeira e segunda geração do Moto G. O resultado não demonstrou uma diferença assustadora entre os dois. Entretanto, o Moto G 2013 se saiu melhor em todos os quesitos: tempo de conversação, navegação na web e reprodução de vídeo. Dependendo do uso é necessário carregar completamente o Novo Moto G a cada 50 horas, já o Moto G 2013 passaria um pouco mais de tempo longe da tomada, cerca de 54 horas.

Sistema com atualização garantida para o Lollipop

Depois de adquirir a Motorola, a Google matou de vez o motoBLUR, uma espécie de skin que costumava vir com os aparelhos da companhia com a intenção de melhorar a usabilidade em redes sociais. Quando passou para a Lenovo, o que estava morto continuou morto e a escolha de manter a versão mais próxima do Android puro continuou. O Moto G 2014 sai de fábrica com a versão 4.4.4 do Android, mas com a promessa de atualização para o Lollipop. Os aplicativos pré-instalados são os já conhecidos Motorola Assist, Motorola Alerta, o Migração Motorola, Br Apps, o Motorola Connect e, nas versões com TV Digital, um aplicativo simples para controlar a TV.

moto g comparacao novo moto g

Design do Novo Moto G

Como já foi adiantado ao longo do texto, o Moto G 2014 ficou maior para poder acomodar o seu display de 5 polegadas, apesar de ter um ótimo aproveitamento da tela. Ele também ganhou dois notáveis alto-falantes na parte frontal, bem no estilo Moto E. A espessura continua praticamente a mesma, perdendo cerca de 0.6 mm. O produto final é um smartphone elegante, com cara de top de linha, mas com preço e configuração de intermediário. Ele está disponível no Brasil nas cores preto e turquesa.